Perfect Welding Blog
General Welding Topics

Soldadora e influenciadora Laela Holden: „Não deixo meu gênero me impedir“

Laela Bloggerin

Os números dos EUA mostram: apenas 5% de todos os funcionários do setor de soldagem são mulheres. Isso nos deixa mais empolgados para saber o que elas têm a dizer. O que as entusiasma na soldagem? Como elas estão se saindo em uma indústria dominada por homens, e o que o futuro reserva? Soldadora, influenciadora e parceira da Fronius USA, Laela Holden, responde a estas perguntas e também explica por que 20 anos se passaram entre a sua primeira e segunda tentativa de soldagem.

Da costura à soldagem

A carreira de Laela Holden na tecnologia de soldagem não começou no sistema de soldagem, mas na máquina de costura. Ela fez gorros de soldagem sob medida, os gorros que os soldadores usam sob seus capacetes de soldagem. Uma paixão, um hobby que acabou se transformando em um negócio de sucesso. Ela fundou a empresa Jugz Welding Caps e agora tem 26.000 seguidores em seu canal do Instagram.

Então uma coisa levou a outra: „Através da minha conta na mídia social para meus gorros de soldagem, conheci uma mulher que me contou sobre uma rifa no Facebook onde você poderia ganhar uma vaga em uma escola de soldagem. Tive sorte, ganhei e frequentei aquela escola de soldagem“. Laela também criou um canal no Instagram sobre o tema de soldagem, ele conta com mais de 8.000 seguidores.

Laela na soldagem

Sem amor à primeira vista

No entanto, o seu primeiro contato com o sistema de soldagem não foi na escola de soldagem, mas sim 20 anos antes. Mas não foi amor à primeira vista, muito pelo contrário. A primeira vez que ela assistiu uma soldagem, ela pensou: „Isso não é pra mim“. No entanto, ela tentou: „Coloquei o capacete de soldagem e fiz o que me foi dito. O eletrodo de solda grudou no metal, para que não houvesse uma ignição e nenhum arco voltaico fosse queimado. Tentei repetidamente, e depois de dez minutos eu disse: cansei“.

Quando ela finalmente conseguiu frequentar a escola de soldagem 20 anos depois, e teve que estar apta para os testes práticos de soldagem, ela procurou por instalações de soldagem. E achou isso divertido. Ela soldou e soldou, todas as noites, durante quatro horas. „Eu consumi toneladas de arame de soldagem aprendendo qual ângulo segurar a tocha de solda, como fazer a ignição do arco voltaico e como regular a intensidade de corrente e assim por diante“. Além disso, ela assistia a vídeos no YouTube, um dos métodos de aprendizado mais eficientes para ela passar nos testes da escola de soldagem.

Fascinação que conecta

Através de seu negócio de gorros de soldagem, a Laela conheceu pessoalmente muitos soldadores que lhe mostraram que a soldagem é muito mais do que apenas um trabalho. Para ela, é uma paixão. Ela adora „criar e construir coisas“ e descobriu o lado artístico deste ofício. „O que mais me fascina é o quanto tudo o que você pode fazer com a soldagem. Para o aço inoxidável, por exemplo, basta um pouco de calor de uma tocha TIG“.

Para Laela, soldar significa criatividade e liberdade: „adoro ficar na minha garagem com meus aparelhos da Fronius e fazer um projeto, como construir duas mesas de conferência para um escritório de advocacia. Eu posso fazer o que eu quiser. Eu adoro o fato de poder fazer isso“. Hoje a Laela faz soldagens, além do seu trabalho como influenciadora e de seu negócio de gorros de soldagem. Ela recebe pedidos de projetos individuais de soldagem, mas planeja decolar como soldadora em tempo integral num futuro próximo.

A oficina da Laela

Ela compartilha sua paixão pela soldagem com várias outras mulheres, e gosta de se inspirar nelas quando se trata de fazer jóias ou obras de arte, por exemplo. Enquanto isso, ela construiu uma rede com alguns especialistas em soldagem, e trabalha regularmente com eles em vários projetos. Um exemplo: no ano passado, eles fizeram uma escultura de água que foi inaugurada em 11 de setembro para marcar o 20º aniversário dos atentados de 11 de setembro.

Escultura de água por ocasião do 11 de setembro

„Também posso fazer o que ele faz!“

A Laela foi parar em indústrias bastante dominadas por homens desde cedo. Aos 18 anos, ela começou a trabalhar em fábricas de carne. „Soube rapidamente que esta não seria a minha vida“. Em seguida, ela se mudou para a construção, escalando postes de energia com espigões e instalando e reparando a fiação. Como estas indústrias eram dominadas por homens, ela adorava fazer parte delas como uma mulher. „Comecei quando tinha 24 anos e adorei fazer isso porque era um trabalho duro. Meu irmão tinha começado antes de mim. Eu segui os passos dele e pensei: também posso fazer o que ele faz. Eu sou tão forte quanto ele. Não deixo meu gênero me impedir. Ninguém pode me dizer que eu não posso fazer isso. Faço isto há 14 anos“.

Soldagem e estereótipos de gênero

Em sua rede, a Laela trabalha bem e com prazer com muitos soldadores homens, mas também teve que aprender a lidar com estereótipos de gênero. Ela solda de um jeito não convencional, com capacetes brilhantes e sobre uma mesa de solda de cor rosa. Isto leva a uma falta de compreensão entre alguns de seus colegas homens, mas é exatamente isso que a diverte, porque permite que ela chame atenção. Quando ouve coisas como „Isso não é um equipamento de soldagem de verdade“, ela diz: „Eu uso este capacete brilhante quando soldo, então tenho quase certeza de que é um capacete de soldagem de verdade“. Esta falta de compreensão realmente a motiva: „Acho ótimo que eles estejam chateados com isso. Isso me dá vontade de soldar mais“.

É isso que ela quer mostrar: a soldagem é individual e não tem padrão. Ela também compartilha sua criatividade na soldagem nas mídias sociais e recebe muitos elogios e comentários positivos. Isto também é importante para ela mostrar online o quanto é divertido trabalhar neste campo.

A obra de arte da Laela

Motivando as mulheres para a tecnologia de soldagem

„Se alguém tivesse me dito quando eu tinha 18 anos o quão longe eu conseguiria chegar nessa indústria como mulher, eu teria começado muito mais cedo. E eu acho que muitas mulheres jovens nem sabem até onde podem chegar“. Por isso ela diz que é importante acabar com os preconceitos sobre o trabalho como soldadora: „Eu acho que muitas mulheres só têm uma visão limitada, só veem o trabalho sujo e pensam que um trabalho de produção de soldagem de 12 horas é tudo o que há. Mas elas não percebem que podem ir longe, que podem ter seus próprios negócios e ser suas próprias chefes se quiserem“.

Ela tenta dar às gerações mais jovens mais dicas sobre o que é possível e como enxergar a diversão no trabalho. „Você não vive para trabalhar, você trabalha para poder viver sua vida. Eu queria que minha soldagem não fosse um trabalho. Eu queria estar financeiramente segura, sim, mas eu queria acima de tudo me divertir e, ao mesmo tempo, ganhar meu sustento“.

Ela encontra o apoio de organizações como „Women Who Weld“, que apoiam as mulheres no aprendizado da soldagem e a encontrar emprego na área. Organizações como estas e influenciadores como Laela estão fazendo um trabalho extremamente importante de mostrar às mulheres algumas oportunidades e possibilidades que elas tem no campo da tecnologia de soldagem. Aproveite essas oportunidades!

Você está curioso e quer saber o que está acontecendo no perfil de Instagram da Laela? Então, dê uma olhada em @savage_blonde_garage e @jugzweldingcapsllc. E fique atento – nos próximos meses nossa série de blogs dirá: Mulheres na linha de frente!

Que você também pode gostar

Nenhum comentário

    Escrever um comentário