O que é realmente… soldagem TIG?

O que significa „TIG“? Por que o gás inerte é utilizado neste processo? E qual é a finalidade do eletrodo de tungstênio?

A soldagem é complexa – mas compreender o básico é fácil. A série Fronius „O que é realmente…?“ ajuda você a obter uma compreensão da soldagem e manter uma visão geral dos conceitos básicos.

Soldagem TIG

A soldagem TIG é um processo que permite a mais alta qualidade de cordão. O arco voltaico queima entre um eletrodo de tungstênio não consumível resistente à temperatura e a peça de trabalho. O gás de proteção inerte, de mesmo nome, cria uma atmosfera de gás livre de oxigênio e evita reações químicas com o banho de solda líquido. Isso resulta em cordões de solda lisos, uniformes e sem poros. O material adicional é alimentado manualmente ou pela velocidade do arame.

A soldagem TIG é possível com todos os metais adequados para a soldagem. A maior área de aplicação é em aços inoxidáveis, bem como no processamento de metais não ferrosos, tais como alumínio, cobre e latão. A soldagem TIG é utilizada especialmente para passes de raiz, porque os cordões são puros e não porosos e, portanto, suportam bem as forças dinâmicas.

Gás de proteção inerte

A soldagem TIG utiliza gás de proteção não reativo (inerte). A atmosfera de gás tem uma função protetora – ela evita reações químicas com o banho de solda líquido e o material aquecido. Isso garante soldas de alta qualidade.

Como gases de proteção são utilizados o argônio, hélio ou uma mistura desses gases. O argônio é o gás mais utilizado: ele otimiza as propriedades de ignição e garante um arco voltaico particularmente estável. O hélio conduz melhor o calor do que o argônio e assim garante uma penetração de solda profunda e ampla.

Eletrodo de tungstênio

O eletrodo de tungstênio é o elemento central na soldagem TIG. A 3380 graus Celsius, o tungstênio tem o ponto de fusão mais alto de todos os metais puros da tabela periódica. Como resultado, o eletrodo não derrete enquanto é gerado um arco voltaico, que aquece e liquefaz o material.

Arco voltaico TIG entre o eletrodo de tungstênio e a peça de trabalho

Os eletrodos são fabricados através do processo de sinterização. Eles podem ser ligados com aditivos de óxido para melhorar as suas propriedades. Dependendo da liga, os eletrodos são marcados em cores diferentes:

Eletrodos de tungstênio-óxido de lantânio

  • Tungstênio puro (WP) (verde):
    Superfície do eletrodo lisa e esférica Problemas de ignição com corrente contínua Baixa capacidade de absorção de corrente
  • Óxido de tório (WT 20) (vermelho):
    Ótima propriedade de ignição Capacidade de carga de corrente muito maior do que com eletrodos de tungstênio puro Ligeiramente radioativo (emissores alfa)
  • Óxido de cério (WC 20) (cinza):
    Propriedades semelhantes ao tório Não radioativo
  • Óxido de lantânio (WL 20) (azul):
    Vida útil mais longa do que os eletrodos de tungstênio-tório ou tungstênio-óxido de cério Propriedades de ignição fracas

Ignição de alta frequência

Uma característica especial da TIG é que o arco voltaico pode ser acendido sem contato. Pulsos de alta tensão sucessivos e rápidos fazem com que uma faísca seja transferida para a peça de trabalho e o arco voltaico é estabilizado. Essa ignição de alta frequência é muito fácil de manusear pelo soldador. O eletrodo não pode aderir à peça de trabalho, não fica contaminado e não se formam inclusões de tungstênio no cordão.

Você pode saber mais sobre as vantagens do processo TIG no artigo do blog Fronius Soldagem TIG: conexões de alta qualidade.

Compartilhe as suas ideias